COMPULSÃO POR COMPRAS

COMPULSÃO POR COMPRAS

Preciso realmente disto?

Comprar compulsivo, ou oniomania (do grego oné – comprar; mania – loucura), caracteriza-se por um excesso de preocupações e desejos relacionados com a aquisição de objetos e por um comportamento caracterizado pela incapacidade de controlar compras e gastos financeiros (Abreu, 2008).

A escolha do comportamento compulsivo se deu em função dos impactos dessa patologia na vida das pessoas. Não tem controle sobre o seu comportamento, aspectos emocionais, sociais e financeiros de sua vida são afetados. O comprador compulsivo, muitas vezes, possui dívidas, emoções negativas, como a culpa, e dificuldade nas relações sociais. Já o consumismo é relevante porque o consumidor passa a orientar toda a sua vida a partir do interesse no consumo (da Silva Schuster, 2016). Dar menos atenção para o futuro é outra característica da compulsão, além de revelar uma falta de capacidade reflexiva e uma tendência a agir sem pensar. Quando essa impulsividade se repete de forma crônica, pode caracterizar um comportamento orientado para a compulsão.

arte_compulsao

Algumas perguntas importantes que não podem faltar na investigação psicológica são (Abreu, 2008):

  • Você tem preocupação excessiva com compras? Muitas vezes acaba perdendo o controle e comprando mais do que deveria ou poderia?

  • Já tentou e não conseguiu reduzir ou controlar as compras?

  • Você percebe se faz compras como uma forma de aliviar a angustia, tristeza ou outra emoção negativa? Mente para encobrir o descontrole e as quantias que gastou com compras?

  • Tem problemas financeiros causados por compras?

Escala utilizada para mensurar o comportamento compulsivo de compra (da Silva Schuster, 2016):

  • Quando eu tenho dinheiro, não consigo deixar de gastar parte ou todo ele.

  • Costumo comprar algo que eu vejo em uma loja sem planejamento, só porque eu tenho que ter.

  • Comprar é uma maneira de relaxar e esquecer os meus problemas.

  • Sinto que algo me empurra para fazer compras.

  • Tenho um forte desejo de comprar roupas, joias e outros objetos.

  • Eu me sinto culpado(a) depois de comprar algo.

  • Eu compro algumas coisas que eu não mostro a ninguém, porque as pessoas podem pensar que eu desperdicei o meu dinheiro.

  • Eu sempre comprei coisas que eu não preciso, mesmo quando eu sei que tenho muito pouco dinheiro.

  • Assim que entro em um centro comercial ou shopping, eu quero ir em uma loja e comprar alguma coisa.

  • Eu gosto de gastar dinheiro.

Os delírios de consumo de Becky Bloom é o primeiro romance da inglesa Sophie Kinsella. É a história de uma jornalista financeira que durante o dia, ensina às pessoas como administrar seu dinheiro e no fim-de-semana, transforma-se em uma consumidora compulsiva, fugindo do gerente do seu banco e com muitas dívidas. Rebecca Bloom não resiste uma liquidação! Quanto mais inútil, melhor! Para ela, o mundo todo enxerga os detalhes da alça de seu sutiã, combinando com as cores de seus sapatos. Mas seu salário nunca é suficiente para pagar suas extravagâncias. Endividada até a alma, Rebecca, ou Becky, vive fugindo do seu gerente de banco e procurando fórmulas mirabolantes para pagar a fatura do cartão de crédito. Rebecca é sensível, carinhosa e extremamente otimista. Com essas qualidades, ela vai fazer de tudo para resolver seu problema. Primeiro, tenta reduzir seus gastos a zero, o que logicamente, não funciona. Diante disso, ela resolve que precisa ganhar mais dinheiro, mesmo sabendo que seu emprego está ameaçado. Nos delírios de consumo de Becky, todos os seus problemas se resolveriam de imediato ao ganhar na loteria, ou se um completo estranho pagasse sua conta do visa – por engano, claro. Como se não bastasse, em meio a tanta confusão (Hogan, 2009).

A proposta psicoterapêutica da abordagem cognitivo comportamental para compradores compulsivos tem os seguintes objetivos (Abreu, 2008):

  • Identificar e mudar padrões de pensamento que influenciam o desejo de comprar.

  • Provocar mudança de comportamento, evitando situações de alto risco que podem provocar o desejo de comprar e lidando com tais situações.

Um dos achados em pesquisa teve como objetivo de avaliar duas medidas de mensuração, uma de comportamento compulsivo e, outra, de consumismo e, posteriormente, verificar a relação entre elas. A metodologia incluiu a aplicação de uma survey online para 319 pessoas e análise por meio de equações estruturais multigrupo. Verificou-se que o comportamento compulsivo de compra não possui relação de causalidade com o consumismo. O pressuposto de que o comportamento compulsivo é maior nas mulheres não se confirmou nessa amostra e o consumismo é igual para homens e mulheres (da Silva Schuster, 2016).

Um segundo achado em pesquisa foi um estudo de caso sistemático que examinou o processo e os resultados da terapia cognitivo-comportamental (TCC) de uma compradora compulsiva. A duração do tratamento foi pré-definida em 12 sessões. Todas as sessões foram codificadas com o Psychotherapy Process Q-Set (PQS), um método empírico de avaliação do processo terapêutico. Medidas de resultados incluíram a avaliação de sintomas de depressão, ansiedade e compras compulsivas, bem como do ajustamento social. Houve mudança clinicamente significativa e confiável nos sintomas e no ajustamento social, após o tratamento. A análise do processo indicou que fatores da terapeuta (empatia e responsividade), fatores da paciente (colaboração), fatores da relação (aliança terapêutica) e fatores técnicos (apoio e tarefas de casa) contribuíram para as mudanças observadas (Brandtner, 2016).

Um terceiro e último achado em pesquisa deste texto, destaca que o comprar compulsivo pode ser caracterizado por preocupações mal-adaptativas em relação às compras e incapacidade de resistir ao desejo de comprar. Trata-se de uma revisão sistemática de literatura dos artigos publicados nos últimos dez anos (2005-2015) sobre tratamento na abordagem cognitivo-comportamental. No total foram analisados 9 artigos com resultados de ensaios clínicos em grupo e individuais. Conclui-se que, considerando a elevada incidência deste transtorno, a literatura sobre o assunto ainda é escassa e todos os artigos apresentam intervenções com resultados satisfatórios. Apresentamos as principais técnicas utilizadas e, a partir delas, sugerem-se novas intervenções relacionadas à terapia cognitivo-comportamental (de Souza, 2016).

Abordamos os principais conceitos, indicadores de diagnóstico e indícios comportamentais acerca do transtorno, além do filme que aborda o assunto e alguns achados em pesquisa. Busque e indique a ajuda profissional diante das necessidades. A Supere Psicologia estará sempre do seu lado.

Alessandro Rocha

Psicoterapeuta Cognitivo Comportamental

Mestre em Educação para Ensino em Saúde

alessandropsi@yahoo.com.br / alessandro@superepsicologia.com.br

www.superepsicologia.com.br

Abreu, Cristiano Nabuco de. Manual clínico dos transtornos do controle dos impulsos. Porto Alegre: Artmed, 2008. Cap. 7.

Brandtner, Maríndia, and Fernanda Barcellos Serralta. “Terapia Cognitivo-Comportamental para Compras Compulsivas: Um Estudo de Caso Sistemático.” Psicologia: teoria e pesquisa 32.1 (2016).

Hogan, P.J.. OS DELÍRIOS DE CONSUMO DE BECKY BLOOM. (1h 46min). Data de lançamento: 10 de abril de 2009. Elenco: Isla Fisher, Hugh Dancy, Krysten Ritter mais. Gênero: Comédia. Nacionalidade: EUA.

da Silva Schuster, Marcelo, Valéria da Veiga Dias, and Luciana Flores Battistella. “VALIDAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE COMPORTAMENTO COMPULSIVO DE COMPRA E CONSUMISMO.” Revista de Administração FACES Journal 15.3 (2016).

de Souza, Lauren Heineck, Marina Capellão Becker, and Raquel de Melo Boff. “Terapia Cognitivo-Comportamental das Compras Compulsivas: Uma Revisão de Literatura.” Revista de Psicologia da IMED 8.2 (2016): 185-193.

Sem Comentários


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*