FLEXIBILIDADE

“O cérebro é como um paraquedas. Só funciona quando está aberto.” (James Dewar)

Albert Einstein disse que “a mente que se abre a uma nova ideia nunca retorna ao seu tamanho original.” No entanto, abrir a mente é um exercício complicado, muito mais do que gostaríamos de admitir. Na verdade, a rigidez mental já começamos a construir a partir do nascimento. Cada aprendizagem abre novas portas, mas também fecha outras.

Na verdade, uma das características principais das pessoas que têm certa flexibilidade mental consiste precisamente em ser capazes de dar-se conta de que decisões erradas não são “más decisões”. Qualquer decisão é boa se a ela segue outra decisão da qual podemos tirar proveito. A flexibilidade mental consiste exatamente em saber qual seja a decisão que tomarmos sempre se abrirá para nós um mundo de possibilidades.

arte_flexibilidade

Portanto, a flexibilidade mental é estar disposto a assumir o risco de nos enganar sem medo dos erros. É saudável abraçar e tentar compreender as coisas novas ou os pontos de vista diferentes dos nossos.

Segundo Raul Seixas em uma música, diz “Veja! Não diga que a canção está perdida. Tenha fé em Deus! Tenha fé na vida! Tente outra vez! Se é de batalhas que se vive a vida… Han! Tente outra vez!”. Temos uma tendência a não perceber todo um processo de caminhada e de construção que fazemos em nossa vida, pois buscamos de forma ansiosa o resultado final. Manter a esperança diante das batalhas e desafios gera uma força interior que chamamos de flexibilidade e resiliência.

A flexibilidade mental é uma habilidade que pode ser desenvolvida e aprendida. Segue dicas:

  1. Concentre-se em suas emoções.

Quando você está tentado a rejeitar completamente uma ideia, observe como você se sente. Se você se sentir desconfortável com o que você ouve, é provável que a rigidez em sua maneira de pensar, provavelmente esconde uma resistência relativa a alguma memória difícil do passado. Pergunte a si mesmo o que tem medo. Se você responder honestamente, irá descobrir muitas coisas.

  1. Alimente o desejo de crescer.

A curiosidade continua sendo uma das ferramentas mais poderosas que temos à nossa disposição para crescer como pessoas. Em vez de aceitar as velhas idéias, pergunta-se “por que”. Se começar a questionar tudo que você sempre deu como certo, não só encontrará respostas novas como também descobrirá um novo mundo, muito mais amplo.

  1. Desenvolver empatia.

Em alguns casos, você provavelmente não concorde com as idéias, às formas de pensar e atitudes dos outros. No entanto, em vez de rejeitá-los de imediato, tente se colocar no lugar deles para entender de onde vem esse ponto de vista. Se você rejeitar o que não sabe ou não gosta, você será a mesma pessoa de antes. Se você tentar entender o outro, terá caminhado do crescimento.

  1. Abrace os erros.

Ter certa flexibilidade mental significa não ter medo dos erros, significa estar disposto a aproveitar as novas oportunidades. Se compreender a vida como um contínuo aprendizado, onde cada erro não é um passo atrás, mas sim um passo a frente em nossa evolução, pois nos permite desfazermos velhos padrões já enraizados.

  1. Não busque a verdade absoluta.

Toda vez que assumimos uma verdade como um fato imutável, significa que paramos de olhar nessa direção e, portanto, começamos a perder pouco a pouco todos os dias. Assim, é importante não se prender a uma única maneira de ver as coisas e manter uma mente aberta. O mais importante para se livrar da rigidez mental é não buscar a verdade absoluta, simplesmente, porque ela não existe.

 

Perfil da Mente Flexível

  • Não sou dono da verdade.
  • Posso estar equivocado(a) em minha maneira de pensar.
  • A mudança justificada é saudável.
  • Não posso ter tudo sob controle.
  • Abandonar uma idéia não é necessariamente um sintoma de fraqueza.
  • É melhor enfrentar os fatos como são, embora não se esteja de acordo com eles.
  • A novidade é um desafio.
  • A autocrítica construtiva é o motor do crescimento e um antídoto contra o dogmatismo, o autoritarismo e a teimosia.
  • Explorar a realidade.
  • Manter-se atualizado.
  • Investigar e aprofundar diversos temas.
  • Ter experiências novas.
  • Escutar as pessoas que se opõem a nós.
  • Discutir com argumentos e não atacar as pessoas.
  • Promover atitudes democráticas.

Flexibilidade não significa abandonar o objetivo e sim buscar seguir de forma adaptativa diante das circunstâncias da vida. Segundo a frase do Fernando Angelo, que diz “Ser flexível não é se curvar diante do problema, mas sim ter jogo de cintura pra sair dançando dele”. É possível encontrar acordo nas relações interpessoais? Adaptar-se é preciso? Vamos refletir um pouco mais? A Supere Psicologia estará sempre do seu lado.

Alessandro Rocha

Psicoterapeuta Cognitivo Comportamental

Mestre em Educação para Ensino em Saúde

alessandropsi@yahoo.com.br / alessandro@superepsicologia.com.br

www.superepsicologia.com.br

 

DUARTE, Tales Luciano. Rigidez Mental: Quando Sua Forma De Pensar Te Impede De Crescer. Link: http://yogui.co/rigidez-mental-quando-sua-forma-de-pensar-te-impede-de-crescer. Acessado em: 03/02/2018.

RISO, Walter. A arte de ser flexível: De uma mente rígida a uma mente livre e aberta á mudança. 1 ed. Porto Alegre: L, 2013. 183 p.

Sem Comentários


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*