Morte e Vida de cada dia

Acordar, Respirar, Pensar, Existir, Morrer e Viver são processos de vida.

Dependendo da forma como vivemos podemos estar em risco de adoecimento e de morte. Com isso, precisamos cuidar dia-a-dia da nossa própria vida, seja com atividade física, alimentação adequada, boa qualidade do sono, dar e receber elogios, boa conversa com um(a) amigo(a), entre outros.

O que será a morte além da falta da existência? Morremos ao nascer ou deixamos de morrer ao nascermos, há que diga que podemos morrer um pouco a cada dia com uma despedida, um fechamento de ciclo, a cada desafio que nos arranque da zona de conforto e nos coloque no centro da vida.

Morte e Vida de cada dia

Usamos de rituais que simbolizam momentos finais com entes queridos através do velório e do sepultamento. E esse momento é carregado de dor, que nos faz aprender e refletir sobre o que representa cada pessoa que tivemos algum vínculo e laço afetivo. Representação essa que nos faz pensar sobre a aproximação e afastamento que temos com as pessoas, lembramos saudosos de momentos marcantes e compadecemos dessa perda com a família.

Estamos falando de vida ou morte? De força, luta, energia, resiliência, e tudo que possa nos mover e nos manter vivos diante da finitude que a morte ou limitação na vida. Acaba nos proporcionando uma separação abrupta, um choro sem fim, um coração espremido no peito, uma dor melancólica da lembrança de um sorriso, uma gargalhada que não escutamos mais.

Estudos apontam a importante de cuidados paliativos em idosos ou pacientes terminais para que tenham o direito de ter uma qualidade de morte através do amor, do carinho, menos dor física, assistência médica periódica. Destaco duas poesias da médica geriatra e escritora Ana Claudia Quintana Arantes que faz um belíssimo trabalho na Casa do Cuidar, são eles:

– Por um instante –
Por um instante duvido
Sem o mar eu não existiria
A ausência me preenche e sufoca
Preciso respirar suas águas
Mas entre meus espaços desce a lágrima
Que se perde em minha face branca numa vertigem
e encontra em minha boca sua segurança
E sinto seu gosto de sal
O mar existe e mora agora nos meus olhos
E suas ondas transcorrem
minha face branca de areia e matam
essa sede de sal da minha alma.

– Caminhar –
Cada relógio tem uma duração diferente entre um minuto
e o seguinte.
Cada espaço tem uma distância diferente ente o primeiro passo
e a chegada.
Cada um no seu tempo, cada um no seu passo.
Cada caminho, uma vida.

Pensamos nos instantes de vida que nos bate a porta com o sal que nos oferece o sabor das coisas. E nos caminhos da vida que nos leva por altos e baixos que tanto nos coloca na posição de aprendiz. Os mais antigos costumam nos dizer que a morte é a única certeza existencial. Por isso podemos cuidar mais e melhor da nossa vida, buscando se melhorar enquanto pessoa, valorizar-se, desenvolver a autoestima, realizar algo que nos deixa felizes. A Supere Psicologia está sempre do seu lado.

Alessandro Rocha
Psicoterapeuta Cognitivo Comportamental
Mestre em Educação para Ensino em Saúde
Diretor da Supere Psicologia
alessandro@superepsicologia.com.br

Patrícia Portugal
Psicoterapeuta Cognitivo Comportamental
Psicóloga do Programa Atitude
portugal.patricia@hotmail.com

Sem Comentários


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*