O DESPERTAR DA LEITURA

O DESPERTAR DA LEITURA

23 de abril – Dia Mundial do Livro

Não há tecnologia que possa substituir o prazer de tocar nas páginas de um livro e encontrar nelas um mundo repleto de encantamentos. Atualmente os meios de comunicação estão cada vez mais rápidos e podem servir como ferramentas adicionais no processo da aprendizagem, entretanto, tais recursos não substituem os benefícios de se ler um bom livro. Dentre tantos, cabe citar o favorecimento do desenvolvimento da imaginação e o conhecimento de outras realidades distintas de quem pratica o hábito de ler.

arte_livro

Sendo assim, faz-se importante salientar que a aproximação de forma afetiva e significativa dos livros, torna possível o gosto pela leitura. Esta por sua vez, proporciona importantes reflexões e pode despertar para discussões e interações enriquecedoras acerca dos acontecimentos ao redor do leitor.

A leitura é parte fundamental da construção do saber de cada indivíduo de modo a alicerçar suas interpretações particulares, com vistas a viabilizar as suas próprias construções do outro e do mundo. A criança que escuta histórias desde cedo, que tem contato direto com livros e que é estimulada nesse sentido, terá a facilidade necessária para ler. Isso proporcionará também um desenvolvimento bastante favorável do seu vocabulário ao longo do tempo.

A capacidade de ler está intimamente ligada à motivação. Desta forma, faz-se necessário que o sujeito seja estimulado a ler desde a infância. Isso deve acontecer não apenas na escola com o professor como também com seus pais e cuidadores. Nesse sentido é preciso que se oferte uma certa variedade de livros de literatura como: contos, fábulas e poesias, observando-se e respeitando-se a idade cronológica de cada criança e principalmente o estágio de desenvolvimento de leitura em que a mesma se encontra.

Dicas de incentivo ao interesse em leitura na infância:

  • Frequentar livrarias, feiras de livros e bibliotecas junto com os filhos;

  • Ler na frente da criança, para a criança e com a criança à medida que esta vai passando a ter mais propriedade de habilidade da leitura.

  • Possibilitar que a criança possa entrar em contato com livros. A criança pequena precisa brincar, manusear e tocar os livros. Atualmente existe uma variedade de livros com formas e texturas que estimulam a criança a ter interesse em fazer este contato.

  • Os livros devem ser organizados em local de fácil acesso para as crianças, a fim de que seja possibilitada a sua busca sempre quando quiserem, como estantes, prateleiras baixas ou baús.

  • É importante conversar com a criança sobre a história lida. Perguntar a respeito do que ela entendeu, qual personagem gostaria de ser, se a criança pensaria num final diferente para a história. Ler é construir sentido e encontrar significados. Ao conversar com a criança sobre o que ela mesma leu, é possibilitada a oportunidade de pensar, refletir e treinar sua capacidade de compressão.

No caso dos adolescentes algumas dicas podem ajudá-los a despertar o interesse para a leitura:

  • Não colocar a leitura de forma impositiva, permitir que os jovens escolham temas do seu interesse;

  • Dar o exemplo, ser um bom leitor;

  • Despertar a curiosidade da leitura oferecendo maior número de formatos, gêneros e autores de livros, tornando fácil o acesso a essas opções.

Inicie pensando em quais temas de livros chamam mais sua atenção, visite livrarias, sem pressa. Comece por livros mais finos, reserve um espaço na sua casa para se dedicar a leitura todos os dias. Comece lendo 15 minutos diariamente e vá aumentando o tempo gradativamente. Aproveite o mundo fascinante do livro! Viva o Dia do Livro!

Dicas de Livros:

Para Crianças:

  • Coleção: Agora Eu Consigo Ler, Letras Grandes. Editora Todolivro. 2014. Blumenau/SC. Brow Watson.

  • Descobrindo Valores. Editora Todolivro. 2014. Blumenau SC. Cristina Klein.

Para Adolescentes e Adultos:

  • O Poder do Hábito. Editora Objetiva. 2012. Rio de Janeiro. Charles Duhigg.

Renata Patrícia Tavares de Lucena.

Psicóloga Clínica e Organizacional

Psicoterapeuta Cognitivo-comportamental.

renapatl@yahoo.com.br

AGUIAR, Vanda T. O leitor competente à luz da teoria da literatura. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 124, v. 5/6, p.23-34, jan./mar. 1996.

AGUIAR, Vera Teixeira de; BORDINI, Maria da Glória. Literatura, a formação do leitor: alternativas metodológicas. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1998.

BRASIL. Secretaria da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais – 1ª a 4ª série do ensino fundamental. Língua Portuguesa, 1997.

DELMANTO, Dileta. A leitura em sala de aula. Construir Notícias, Recife, ano 08, n. 45, p. 24- 26, mar./abril. 2009.

FRANTZ, Maria Helena Zancan. O ensino da leitura nas séries iniciais. 3 ed. Ijui:Unijui, 2001.P.15 e 16; 27-40.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 29. Ed. São Paulo: Cortez, 1994.

GRAZIOLI, Fabiano T.; COENGA, Rosemar E. Literatura Infanto juvenil e leitura: novas dimensões e configurações. Erechim: Habilis, 2014.

KOCH, Ingdore V.; ELIAS, Maria V. Ler e compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2008.

LAJOLO, Marisa. A formação do leitor no Brasil. São Paulo: Ática, 1996.

MANGUEL, Alberto. No bosque do espelho: ensaios sobre as palavras e o mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. A linguagem e seu funcionamento. São Paulo, Brasiliense, 1995. ______. Discurso e Leitura. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995.

Projetos de Trabalho. 5 ed. Artmed, 1998. – KRIEGL, Maria de Lourdes de Sousa. Leitura: um desafio sempre atual. Revista PEC, Curitiba. V.2, n.1, p.1-12, jul. 2001-jul.2002. – LINARDI, F. O X da questão. Revista Nova escola, São Paulo. Edição Especial nº 18, 2009. – ZILBERMAN, Regina. A literatura infantil na escola. 10 ed. SP. Global,1998.

PULLIN, Elsa M. M.P.; MOREIRA, Lucinéia de S. G. Prescrição de leitura na escola e formação de leitores. Revista Ciências & Cognição,2008.

SOARES, Magda. Letramento: como definir, como avaliar, como medir. In: SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. 13

SOLÉ, Isabel. Ler, leitura, compreensão: “sempre falamos da mesma coisa?” Porto Alegre: Artmed, 2003.

ZILBERMAN, Regina. Leitura: Perspectivas Interdisciplinares. São Paulo: Ática, 1995.

Sem Comentários


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*